Friday, August 9, 2013

Athens - Greece

--Há uma versão em português logo abaixo--

The crossing from Italy to Greece took about 16 hours, the ferry left Brindisi around 20:00 and arrived in Patras at 13:00, local time (Greece is one hour ahead of Central European Time). I was very excited, not only because it was a new experience, the first country I wouldn't be arriving in, by bike, overland , but also because it would be my first time ever on the high seas.

As shipmates I had more than a hundred cars, trucks and, of course, a bunch of people. You can sleep in your own cabin if you pay more, but if you are someone like me, willing to save money, then the only rule is: find your spot!

People who choose this option don't care about comfort, they sleep everywhere. When I got on the ship the deck was already infested with sleeping bags and makeshift beds, outside even tents could be seen. Without a second thought I took my 5 star cabin and went to find a place to pitch it.

Before pitching my tent I went to visit the captain with the idea of offering some advice in case he needed it. Unfortunately he was off duty but his assistant allowed me in, was very kind and even gave me control of the ship. But because we didn't want to end up in Spain, he took it back as soon as I had had my picture taken.

And because I was already almost a crew member, I decided to pitch my tent close to the bridge of the ship, not only because there were no people sleeping there, but in the event that something went wrong with the ship my tent would be a reminder of the instructions, being something like: women, children and cyclists first!

Well... at first it was OK, I was well installed in my tent, enjoying the refreshing breeze and the wonderful starry sky. After a while, when I was already napping, things started to change. What was once a refreshing breeze became a persistent wind, and when we hit the high seas that persistent wind became a hell.

At the beginning I even laughed at the situation, but when I found myself lying with my arms spread wide, holding the tent because it was shaking so much, the laughter disappeared. Being the very stubborn person that I am, it took a while to convince myself that the "refreshing breeze" wouldn't stop soon.

But at the point when my tent and I were well and truly fed up with that earthquake, I decided it was time to pack and find another place. I moved to the other side of the ship, but to avoid any surprises I decided to take only my sleeping bag and sleep in a beach chair. Good choice this time!

Arriving in Patras, I slept a night there and the day after started heading towards Athens, which was less than 250 km away.

In Patras I had a CouchSurfing host, and already staying in his house was a nice Austrian girl. She‘d been travelling through Europe by car for more than a year. And alone! For me it's always a pleasure to meet this kind of person and to share our views about the different worlds we're seeing.

Leaving Patras it took me three days to get to Athens. I camped in Kamari, Kineta, and cycled through Corinth, the city which the apostle Paul wrote one of his letters to.

The temperature was always around 35 degrees, so in the afternoon I would stop cycling and enjoy the sea. Well in Italy I did it once in such a hurry that I decided not to change out of the shorts I was wearing, thinking that because it was so hot they would dry quickly. While still in the water I started to feel something in my pocket, it was my cell phone vibrating to announce its retirement. Oh boy!!

Arriving in Athens I met again another nice traveller. I went straight to the Acropolis to take the "official" arrival picture, and as I was about to leave the place, I saw a cyclist arriving. Of course I was going to talk to him, but when he got closer I realized we had already met. We met in Rome at Saint Peter's Square, and it was the very same way: I was leaving the square (without my bike) when I saw him arriving and I went to talk to him.

He's from Germany and is cycling from there to Israel, where he’s taking a plane back home. We had a very similar route: leaving Rome, crossing to the other coast, taking the ferry to Greece and from Athens flying to Israel.

Even though he left Rome before me, I arrived in Athens (a few minutes) before him. He took the ferry from a different place and arrived in Greece more to the north, having to face some hilly areas as far as Athens. And from Patras to Athens I had a flat road always next to the sea.

I've already met many bike travellers, I enjoy stopping and talking to them but, as for cycling, I prefer cycling alone. Everyone has a different way of doing the same thing, and because I'm a bit crazy I sometimes do things in life differently, and it works for me. But faced with a different opinion on how to deal with a situation, I could change my mind or not do at all what in my (crazy) view had been the right way of going about something.

And on this trip the major differences I have with other travellers are my low budget and my policy of saving money. Rule number 1 on this trip is never pay to sleep, even in campsites. When I can't find a CouchSurfing host (if you don't know what CouchSurfing is click here) I try to sleep in a church, if I can't find a place to sleep with the church staff then I camp. In these 13 weeks, I only paid on my first day, because there were already so many uncertainties starting this type of trip, and I didn't want one more, so I had a bed and breakfast booked, but on my second day I already knew the ropes, so my tent was waiting for me. And when I left Prague, due to the floods and the ensuing situation, for safety I paid to camp in a campsite.

In Athens I had a CouchSurfing host waiting for me, but due to some miscommunication, when I arrived in his place he was not at home, and because I couldn't call him and didn't have access to the internet, after waiting for a while, I decide to embark on the "Church Operation".

In the same neighbourhood I found an Orthodox Church. After some problems communicating, they allowed me to camp in the garden, since they didn't have a place where I could sleep or even have a shower.

I had a garden hose shower and after getting my tent and things ready, I went to eat something. Fortunately the place had WiFi, so I read my host's message and explained to him what had happen saying that it was OK, I'd be camping at a church that night and the day after I'd go to his house.

I didn't say in which church I was, but after 1.5 hour, when I was already lying in my tent, I heard my name being called, it was my host coming to pick me up. I found that very kind of him, but because I was ready to sleep and it would take some time to pack everything up again, go to his place, take everything off the bike and walk it up to his apartment, I asked if it would be OK if I slept in the tent that night. He agreed and gave me the key of his apartment, since he would be leaving very early the next day.

I can say for sure that this is the most kind and generous host you will ever find on CouchSurfing. At the same time he was also hosting two French guys, and when he left to go on holiday two days ago, he told us we could stay in his apartment for as long as we needed to. That was not only very kind but also very unusual for the world we live in today.

I only bought my ticket to Israel when I arrived in Athens, I didn't want to spend the whole trip under pressure to arrive here at a certain date because a ticket had already been booked, even though I knew I would ended up paying more, which I did.

I was planning to stay one more week in Greece, maybe even visit other islands, but the price of the ticket would double if I didn't catch the cheap one I found for tonight.

Unfortunately this didn't leave much time to spend in wonderful Greece, but at least I managed to spend some time in Athens, visited the Acropolis (a mandatory stop) cycled around the city and spent some hours on a bus tour.

So today I say good bye not only to Greece but also to Europe. This is the end of the European stage of this adventure. Tomorrow I start the most challenging part of my journey: the Middle East.

And I'm very excited, as I wrote here on my first post, the Middle East was what gave me the idea for this trip, so here we go!

There'll be no need for me to be scared about things that are not out there waiting for me. What must happen, will happen, it's always been like that. And I know I have the companionship and protection of THE great Friend, and also the support of nice friends and people that are travelling with me via the internet.

So let's find out what this new world has in store for us..

Atenas - Grécia

A travessia da Itália para a Grécia levou cerca de 16 horas. A balsa saiu de Brindisi em torno de 20:00 e chegou à Patras às 13:00, hora local (a Grécia esta uma hora afrente do horário da Europa Central). Eu estava muito animado, não só porque era uma experiência nova, o primeiro país a que eu estaria chegando sem  pedalar minha bicicleta por terra, e também porque essa seria minha primeira vez em alto-mar.

Como companheiros de embarcação eu tinha mais de uma centena de carros, caminhões e, claro, um mundareu de gente. Você pode dormir em sua própria cabine, se pagar mais por isso, mas se você é alguém como eu, disposto a economizar, então a única regra é: encontre o seu lugar!

As pessoas que escolhem esta opção não se preocupam com o conforto, eles dormem em qualquer lugar. Quando cheguei ao navio ele já estava infestado de sacos de dormir e camas improvisadas. Na parte externa, até barracas se via. Eu não tive dúvida, peguei minha cabine 5 estrelas e fui achar um lugar para armá-la.

Antes de me acomodar na barraca fui visitar o capitão, com a intenção de oferecer-lhe alguns conselhos no caso de que ele precisasse. Infelizmente, ele estava fazendo uma "pausa", mas seu assistente me deixou entrar, foi muito gentil e ainda me deu o comando do navio. Mas como não queríamos acordar na Espanha, ele tomou de volta, assim que tirei minha foto.

E como eu já era quase um membro da tripulação, resolvi armar minha barraca perto da ponte de comando, não só porque não havia pessoas dormindo ali, mas no caso de algo dar errado com o navio, minha barraca seria um lembrete para que as instruções fossem algo do tipo: mulheres, crianças e ciclistas primeiro!

Bem, num primeiro momento, a coisa estava OK, eu estava bem instalado na minha barraca, desfrutando da brisa refrescante e o fantástico céu estrelado. Depois de um tempo, quando eu já estava cochilando, as coisas começaram a mudar. O que antes era uma brisa refrescante tornou-se um ventinho persistente, e quando entramos em alto-mar, o ventinho persistente tornou-se um inferno.

No começo eu até ri da situação, mas quando eu me vi deitado com os braços abertos segurando a barraca, porque estava tremendo muito, a risada desapareceu. Como sou uma pessoa bem teimosa, demorou um pouco para me convencer de que aquela "brisa refrescante" não iria parar tão cedo.

Quando minha barraca e eu já estávamos de saco cheio daquele terremoto, decidi que era hora de embrulhar tudo e encontrar outro lugar. Me mudei para o outro lado do navio, mas para evitar surpresas eu decidi só usar meu saco de dormir e deitar numa cadeira de praia. Boa escolha desta vez!

Chegando a Patras, eu dormi uma noite lá e no dia seguinte iniciei minha pedalada rumo a Atenas, que não ficava mais do que 250 km de lá.

Em Patras eu tive um anfitrião do CouchSurfing.  Em sua casa já havia uma austríaca. Ela está viajando pela Europa de carro por mais de um ano. E sozinha! Para mim é sempre um prazer encontrar este tipo de pessoas e compartilhar nossos pontos de vista sobre os diferentes mundos que estamos vendo.

Deixando Patras levei três dias para chegar a Atenas. Acampei em Kamari, Kineta, e passei por Corinto, a cidade para qual o apóstolo Paulo escreveu uma de suas cartas. As temperaturas foram sempre em torno de 35 graus, por isso na parte da tarde eu sempre parava minha bicicleta e ia desfrutar o mar. Na Itália, eu fiz isso com um pouco de pressa, decidi não mudar a bermuda que estava usando, pois estava muito quente ela secaria bem rápido depois. Ainda na água, comecei a sentir algo no meu bolso: era o meu celular vibrando e anunciando sua aposentadoria. Cacildis!!

Chegando a Atenas eu encontrei outro viajante gente boa. Fui direto para a Acrópole para tirar a foto "oficial" de chegada, e quando eu estava pronto e deixando o local, vi um ciclista chegando. Claro que eu iria falar com ele, mas quando ele chegou mais perto, percebi que já o conhecia. Nós nos conhecemos em Roma, na Praça de São Pedro, e foi a mesma coisa, eu estava saindo da praça (sem bicicleta), quando vi ele chegando e fui falar com ele.

Ele é da Alemanha e está pedalando de lá para Israel, onde ele vai pegar um avião de volta para casa. Tivemos uma rota muito semelhante: deixaríamos Roma, cruzando para a outra costa, pegaríamos a balsa para a Grécia e de Atenas voaríamos para Israel.

Mesmo ele saindo de Roma antes de mim, eu cheguei a Atenas (alguns minutos) antes dele. Ele pegou a balsa de um lugar diferente e chegou à Grécia mais ao norte, tendo que enfrentar uma área montanhosa até Atenas. E eu vinha de Patras para Atenas. Tive uma estrada plana sempre junto ao mar.

Já conheci muitos viajantes de bicicleta. Gosto de parar e conversar com eles, mas para viajar eu prefiro viajar sozinho. Todo mundo tem uma maneira diferente de fazer a mesma coisa, e porque eu sou um pouco louco, às vezes, faço coisas na vida de uma maneira diferente, e acabam dando certo. Mas tendo apresentado uma opinião diferente sobre a situação, me faria mudar de ideia ou talvez não fazer o que, do meu ponto de vista (louco,) é a coisa a ser feita.

E nesta viagem as principais diferenças que eu tenho com outros viajantes é o meu baixo orçamento e minha política de como usar o dinheiro. A regra número um desta viagem é nunca pagar para dormir, mesmo em campings. Quando eu não consigo encontrar um anfitrião do CouchSurfing (se você não sabe o que é o CouchSurfing clique aqui) eu tento dormir em uma igreja, se não consigo encontrar um lugar para dormir com o pessoal da igreja, então acampo. Nestas 13 semanas, só paguei no meu primeiro dia, porque já há um monte de incertezas quando se inicia uma viagem deste tipo, e eu não queria mais uma, então eu tinha reserva num Bed and Breakfast, mas no meu segundo dia eu já conhecia a brincadeira, e aí minha barraca já estava esperando por mim. Quando saí de Praga, devido às inundações e toda aquela situação, por questões de segurança paguei para o acampar num camping.

Em Atenas eu tinha um anfitrião do CouchSurfing esperando por mim, mas por falhas de comunicação, quando cheguei lá, ele não estava em casa, e porque eu não tinha como ligar e nem acesso à internet, depois de esperar por muito tempo, decidi iniciar a "Operação Igreja".

No mesmo bairro, encontrei uma Igreja Ortodoxa, depois de alguma luta com a comunicação, eles me permitiram acampar no jardim, uma vez que não tinham nenhum lugar onde eu pudesse dormir ou até mesmo tomar um banho.

Tomei um banho de mangueira e depois de ter a minha barraca pronta, sai para comer alguma coisa. Felizmente, o lugar tinha WiFi, assim eu li a mensagem de meu anfitrião e expliquei-lhe o que tinha acontecido, dizendo que não tinha problema, que eu acamparia em uma igreja naquela noite e no dia seguinte iria para a casa dele.

Eu não disse em qual igreja estava, mas depois de 1 hora e meia, quando eu já estava deitado na minha barraca, eu ouvi meu nome ser chamado, era meu anfitrião vindo para me buscar. Eu achei aquilo muito bacana da parte dele, mas como eu já estava pronto para dormir e acabaria levando algum tempo para desmontar tudo, ir para sua casa, tirar tudo da bicicleta e subir até seu apartamento, pedi para dormir na barraca naquela noite. Ele concordou e me deu a chave de seu apartamento, já que estaria saindo muito cedo no dia seguinte.

Eu posso dizer com certeza que este é o mais gentil e generoso anfitrião que alguém vai encontrar no CouchSurfing. Ele também estava hospedando dois rapazes franceses e, quando saiu de férias, dois dias atrás, ele nos disse que poderíamos ficar em seu apartamento o tempo que quiséssemos. Isso não é apenas algo muito gentil, mas também muito incomum para o mundo em que vivemos hoje.

Eu só comprei minha passagem para Israel, quando cheguei a Atenas. Eu não queria ter, durante toda a minha viagem, a pressão de uma data para chegar aqui porque tinha um bilhete reservado. Mesmo que eu soubesse que acabaria pagando mais, e foi o que aconteceu.

Eu estava planejando passar mais uma semana na Grécia, talvez até mesmo visitar outras ilhas, mas o preço da passagem seria o dobro se eu não pegasse esse voo barato que encontrei para esta noite.

Infelizmente, não tive muito tempo para desfrutar a maravilhosa Grécia, mas pelo menos consegui passar algum tempo em Atenas, visitei a Acrópole (parada obrigatória) pedalei pela cidade e passei algumas horas rodando em um ônibus turístico.

E hoje digo adeus não só a Grécia, mas também a Europa, este é o final da fase europeia desta aventura. Amanhã vou começar a parte mais desafiadora da minha viagem: o Oriente Médio.

E eu estou muito animado. Como eu escrevi aqui no meu primeiro post, o Oriente Médio foi o que trouxe a ideia para esta viagem, então vamos lá!

Não vou temer coisas que não são para mim. O que tiver que ser, será, tem sido sempre assim. E eu sei que eu tenho a companhia e proteção Do grande amigo, e também o apoio de bons amigos e as pessoas que estão viajando comigo através da internet.

Então, vamos logo descobrir o que esse novo mundo nos reserva.

Thursday, August 1, 2013

Brindisi - Italy

--Há uma versão em português logo abaixo--

Because I knew that my meeting with the Pope would be something simple and informal, I thought it would be known only by my family and friends, and maybe the local newspaper of my city would publish a picture, sent by one of my friends. But I was wrong.  The same afternoon, the Vatican released an article written by the guy I described here as my guide in Santa Marta; he was a journalist and after leaving Saint Peter's Square I had lunch with him and another lady.

It was a laptop lunch - the three of us had our laptops on the table. I was busy translating my Vatican post and saving the pictures, and they were working on their article. We talked, ate and worked at our laptops at the same time.

A lot of newspapers published the story, putting together the Vatican's article and what I'd written here. For me it was funny to see how the same story can be told in many different ways.

In Brazil, where the Pope was awaited, it received more attention. Not only did the local paper of my city write about it, but it was on the front page of the most important Brazilian newspaper.  And the day the Pope arrived in Brazil, a radio station woke me up at 12:30 am, to share some thoughts. I was already back to my "normal" life, so I spoke to them from inside my tent.

In the days following, I received a lot of nice e-mails and messages from people all around the world, many of them coming from the Philippines, which surprised me as I didn't know that Catholicism was so strong there.

Other people's reactions started to change the way I saw that meeting. Even though I'm not Catholic, I was very glad for the opportunity that was given to me to have such an amazing experience, and I was already thankful for that. But the way people were seeing and writing about it really touched me. I not only respect their faith but even feel a little embarrassed when I know that for millions and millions of people such an experience would have had much more importance and meaning.

For me it didn't have any spiritual meaning, but it's definitely an experience I'll always remember with fond memories.

If there is something I won't remember with fond memories, it's what I didn't do in Rome. I arrived in Rome with the idea of getting some rest, organizing the continuation of my trip, repairing my bike and, of course, visiting a lot of historical sites.

The "Pope Plan" took a lot of time and energy, before and after it happened. I stayed for 10 nights in Rome and left with the feeling that I had only spent a weekend there. Even the Coliseum, which had been a big dream for me to visit, I only managed to cycle around.

But at least I got to know the Vatican well. I visited St. Peter's Basilica, which is very crowded every day, and I had to wait in line for an hour to be able to enter. It's an amazing building, with wonderful artistic works. What surprised me the most were the paintings, or what seem to be paintings since they are all mosaics made up of very small pieces, which replaced the original paintings. From the top of the dome you get a great view of Rome.

I also visited the Vatican Museums, a huge collection of art, built up by the Catholic Church throughout the centuries.  The icing on the cake was the Sistine Chapel, which is the place where the election of a new pope takes place, a room decorated with frescoes by Michelangelo, Botticelli, Perugino, and others.

In Rome I stayed in a Czech monastery, arranged by the nun I wrote about on the Czech Republic post. I thought they wouldn't host me for more than a few days, so I would sleep there for a few nights and find a CouchSurfing host after that, but to my surprise they offered me to stay for all the time I needed. I was so grateful that I offered to help in the garden, and I worked there a few times.

I left Rome on the same day as Pope Francis, and we were both heading to Brazil, the difference is that he's already been there and returned, and I'm still on my way.

Leaving Rome, my goal was to cross to the other coast, to Brindisi, and I really thought it would be much tougher and would take much longer, due to the fact that there was an inevitable hilly area to be faced. Fortunately it was not that hard and the only problems I had were with the wind and parts of the road that bicycles were not allowed on.

The further south I got, the nicer the people were. I got used to hearing the cars honking to greet me and people surprised by my bike coming to talk to me, asking questions about my trip that I'd already answered a thousand times but I still love to. And it was much easier to find a place to sleep or camp in the churches (even they didn't know about the Pope). Before Rome, the priests only said "NO".

In a city called Cerignola, the priest was very unusual, not only very nice, but I'd say not so traditional. It seemed that the young people of the church shared the "power" with him. They were really kind to me, and we went to visit a neighboring city that was having a party, which was great.

This is what I find amazing about this trip - it doesn't take much time to create a good connection between me and the people I meet, and after a short while it's like we've already been friends for a long time.

I can't write here about all the people I've met and the experiences I've had, but I take them traveling with me, in my flag, my pictures and my memory.

I haven't been able to write about Venice, Pisa and the other amazing places I've visited in Italy, but they were also great and I promise to talk about it all the next time we meet for a coffee.

This is my complete route in Italy: Muggia, Portogruaro, Venice (Mestre), Rovigo, Bologna (Casalecchio di Reno), Pistoia, Pisa (Madonna Dell'acqua), Castagneto Carducci, Preselle, Montalto di Castro, Rome, Velletri, Terracina, Caserta, Ariano Irpino, Cerignola, Bari, Ostuni, and Brindisi.

And after having cycled for 5 weeks in Italy, today I say good bye to "Bella Italia" and thank you for the wonderful time I spent here. At the end of the day I'll be taking the ferry to Greece, my last country in Europe.

So let's keep going...

Brindisi - Itália

Como eu sabia que meu encontro com o Papa seria algo simples e informal, pensei que apenas minha família e amigos ficariam sabendo e, talvez o jornal de Porto Alegre fosse publicar uma foto, enviada por um dos meus amigos, mas eu estava errado. Na mesma tarde, o Vaticano divulgou um artigo escrito pela pessoa que eu descrevi aqui como sendo meu guia na Casa Santa Marta. Ele era um jornalista e depois de deixar a Praça de São Pedro, almocei com ele e uma mulher.

Foi um almoço de laptops. Nós três tínhamos nossos laptops sobre a mesa. Eu estava ocupado traduzindo meu post do Vaticano e salvando as fotos e eles estavam trabalhando em seu artigo. Conversávamos, comíamos e trabalhávamos em nossos laptops ao mesmo tempo.

Vários jornais publicaram a história, eles juntaram o artigo do Vaticano com partes do que eu havia escrito aqui. Para mim foi engraçado ver como a mesma história pode ser contada de muitas maneiras diferentes.

No Brasil, onde o Papa estava sendo esperado, também se falou a respeito. Não só o jornal de Porto Alegre escreveu sobre isso, mas a Folha deu destaque na capa, e no dia em que o Papa chegou ao Brasil a rádio CBN me acordou às 12:30, para participar do quadro "Papo de Viajante". Eu já estava de volta à minha vida "normal", por isso falei com eles de dentro da minha barraca. (você pode ouvir aqui)

Nos dias seguintes recebi um monte de e-mails e mensagens bacanas de pessoas de todo o mundo. Muitos deles vindo das Filipinas, o que me surpreendeu, pois não sabia que o catolicismo era tão forte lá.

A reação das pessoas começou a mudar a forma como eu vi aquele encontro. Mesmo eu não sendo católico, fiquei muito contente pela oportunidade que me foi dada de viver essa experiência incrível, e eu já estava grato por isso. Mas a forma como as pessoas foram vendo e escrevendo sobre isso, realmente me tocou. Eu não apenas respeito sua fé, mas de certa forma sinto-me um pouco constrangido, quando sei que há milhões e milhões de pessoas para quem tal experiência teria tido muito mais importância e significado.

Para mim, não teve nenhum significado espiritual, mas é com certeza uma experiência que eu vou sempre lembrar. Serão sempre boas recordações.

Se há algo que eu não lembrarei como boa recordação é o que eu não fiz em Roma. Cheguei a Roma com a ideia de descansar um pouco, organizar a continuação da minha viagem, consertar minha bicicleta e, claro, visitar uma série de locais históricos.

O "Plano Papa" me tomou tempo e energia, antes e depois de acontecer. Eu dormi 10 noites em Roma e sai com a sensação de que eu só tinha passado um fim de semana lá. Mesmo o Coliseu, que era um grande sonho visitar, eu só pedalei ao redor.

Mas pelo menos o Vaticano conheci bem. Visitei a Basílica de São Pedro, sempre muito lotada, tive que esperar uma hora na fila para poder entrar. Uma construção impressionante, com maravilhosas obras artísticas. O que mais me surpreendeu foram as pinturas, ou o que parecem ser pinturas, uma vez que são todos mosaicos de peças muito pequenas, que substituíram as pinturas originais. Do alto da cúpula você tem uma bela vista de Roma.

Também visitei os Museus do Vaticano, uma enorme coleção de arte, acumuladas pela Igreja Católica ao longo dos séculos. Com a cereja do bolo sendo a Capela Sistina, que é o lugar onde ocorre a eleição de um novo papa, lá se contempla os afrescos de Michelangelo, Botticelli, Perugino entre outros.

Em Roma fiquei hospedado em um mosteiro Checo, arranjado pela freira sobre quem escrevi aqui no post da República Tcheca. Pensei que eles não me hospedariam por mais do que alguns dias, assim eu dormiria lá algumas noites e depois encontraria alguém do CouchSurfing, mas para minha surpresa, eles me ofereceram ficar o tempo que eu precisasse. Fiquei tão agradecido que me ofereci para ajudar no jardim, e trabalhei lá algumas vezes.

Deixei Roma no mesmo dia em que o Papa Francisco. Ambos estávamos indo para o Brasil, a diferença é que ele já chegou lá e voltou, e eu ainda estou a caminho.

Deixando Roma meu objetivo era atravessar para a outra costa, até Brindisi. Pensei que seria muito mais difícil e levaria muito mais tempo, devido ao fato de que havia uma área montanhosa que inevitavelmente teria que cruzar. Felizmente, não foi tão difícil e os únicos problemas que tive foram com o vento e partes da estrada onde não eram permitidas bicicletas.

Quanto mais ao sul chegava, mais simpáticas as pessoas se tornavam. Já estava acostumado a ouvir os carros buzinando me cumprimentando, as pessoas surpresas com minha bicicleta vindo falar comigo, e fazendo aquelas perguntas sobre a minha viagem, que já respondi milhares de vezes, mas sempre adoro repetir. E foi muito mais fácil encontrar lugar para dormir ou acampar nas igrejas (mesmo eles não sabendo sobre o Papa). Até Roma, só o que ouvia dos padres era "Não".

Em uma cidade chamada Cerignola, o padre era bem incomum, não apenas gente boa, mas eu diria que não tão tradicional, parecia que os jovens da igreja dividiam o "poder" com ele. Eles foram muito gentis comigo, fomos todos visitar uma cidade vizinha em que estava tendo uma festa, com muita música e comilanças. Foi ótimo.

Isso é o que eu acho mais incrível nessa viagem, não se precisa de muito tempo para criar entre mim e as pessoas que eu encontro uma boa conexão, e depois de um tempo é como se já fossemos velhos amigos.

Eu não posso escrever aqui sobre todas as pessoas que conheci e as experiências que eu tive, mas os levo para viajar comigo, na minha bandeira, nas minhas fotos e memória.

Acabei não escrevendo sobre Veneza, Pisa e outros lugares incríveis que visitei na Itália, mas também foi ótimo e eu prometo falar sobre isso na próxima vez em que nos encontramos para um café.

Esta é a minha rota completa na Itália: Muggia, Portogruaro, Veneza (Mestre), Rovigo, Bologna (Casalecchio di Reno), Pistoia, Pisa (Madonna Dell'acqua), Castagneto Carducci, Preselle, Montalto di Castro, Roma, Velletri, Terracina, Caserta, Ariano Irpino, Cerignola, Bari, Ostuni e Brindisi.

E depois de ter pedalado cinco semanas na bela Itália, hoje digo adeus e obrigado ao tempo maravilhoso que passei aqui. Ao fim do dia pego o barco para a Grécia, meu último país na Europa.

Então, simbora..