Wednesday, September 25, 2013

Holy Land - Part 3

--Há uma versão em português logo abaixo--

When I was in Europe someone told me that to travel by bike in this region would be like committing suicide. Well, after six weeks cycling in the Holy Land, and more alive than ever, I can only say that I feel sorry for those who let their fears deprive them of the opportunity to experience something as great as this.

My only complaint would be about the heat, but since I was expecting something even worse I can say that even that was OK.

Leaving Jerusalem I had just a small ride (less than 10 km) as far as Bethlehem; the city where the saviour of the world was born. There I slept three nights, at a place arranged by Catholic devotees from Argentina.

I visited the Church of Nativity, an orthodox church built in the place which, according to tradition, is believed to be the place where Mary gave birth to Jesus. And also the Shepherd's Field, which again according to tradition, is believed to be the place where the angel appeared to the shepherds announcing the birth of Jesus.

Tradition is something that plays a big role in the Holy Land. Many people believe 100% in the authentic of all the places that they visit here. As I have already said, I don't believe in almost any of it. What I believe is in what happened and the way it happened, but not in the locations where these things are said to have taken place. When cities or geographic references are mentioned in the Bible, I accept that without any problem. But when people go further pointing the finger to "exact locations" I'll visit it taking that just as a reference or a reminder of what is said to have happened there.

Tomb of the Patriarchs
My original plan was after Bethlehem to go to Bethany or Ramallah, but once there I decided I would go further south, and visit Hebron, where the Abraham's tomb is. At least that is something you can take seriously, the place is mentioned in the Bible and is also accepted by both Jews and Muslims. The place is shared by both groups.

On my way to Hebron I could enjoy the amazing hospitality of the Palestinian people. All along the way people were greeting me and welcoming me warmly. I remember cycling through a non-touristic city where people are not used to seeing foreigners. I can say for sure they are not used to see "things like that" moving on two wheels. For them it was like something from another world.

As I rode along the main street all the time people were coming out of shops, calling others and pointing at me, and when they saw my Brazilian flag at the back of my bike they would shout "Brazil" or the name of a Brazilian soccer player. Children ran behind my bike or waited for me to pass close enough to greet them with a high five.

It really touched me, this place has given me the warmest reception since I set out on this journey. Amazing Palestinian people!

In Hebron I slept in a school. I was only going to visit the Patriarch’s tomb there, but I wasn't lucky. The day I went there it was closed for Muslim prayers, and the day after it was closed because of a special Jewish holiday. So I visited the place only on the morning I was leaving the city.

From Hebron I cycled about 40 kms north to Bethany (via Jerusalem). The only place to visit there was the tomb of Lazarus, a place that you can't know for sure if it is the real one, but visiting Bethany is an opportunity to remember that that was the city where Jesus resurrected his friend Lazarus. Something great to think about.

There I slept two nights and not finding any religious institution that could host me, I had to count on the hospitality of locals, which wasn't a problem at all. I had a great time with the people that hosted me there. New friends that I loved meeting, listening to their stories, their struggles, and becoming part of my world.

From Bethany I cycled to Ramallah, the virtual capital of Palestine (Palestinians also claim Jerusalem as the capital of a future Palestinian state). It was about 30 kms, but what made it hard was the hilly area, I got there as tired as if I had cycled more then 100 km.

There I slept three nights in a Catholic school. I went to the Jordanian embassy to get my visa for Jordan, then I visited Yasser Arafat’s tomb, and spent some time walking freely along the streets of downtown.

There I also met interesting people. I entered a commercial building and went to ask something at a computer shop. The shop was closed, but a man from the office next door, who had also come to the shop, learning that I was from Brazil invited me to wait in his office, once there he let me know about his love for Brazil. He has already been in Brazil, and in Porto Alegre my city. He immediately called his Palestinian friend, a successful business man who lives in my state in Brazil and was visiting his father in Ramallah. His friend came to the office, surprised to hear about the "Brazilian on the bike". With him I spoke in Portuguese. We talked a lot, laughed and ate the improvised banquet that his nice friend offered us in his office.

Yasser Arafat's tomb
Many times during this trip I have heard people asking me to not forget them. As if it were even possible. I already said here I can't write about everything or everybody I meet, but I take all of them with me in my memory, in my pictures and on my flag.

Leaving Ramallah I headed to my last stop in the Holy Land: Jericho. It was a pleasant ride, cycling, all the time downhill. Jericho is in the Jordan valley, 258 meters below sea level.

With more than 10.000 years, Jericho boasts the proud title, "The oldest city in the world". The city is well prepared to receive the huge amount of pilgrims and tourists that visit this Palestinian city all the year round.

Jericho is mentioned in the Bible many times. The city was conquered and destroyed by Joshua, the successor of Moses, in the first battle of their conquest of Canaan. It was also the scene of Jesus’ ministry.

Dead Sea
I slept 5 nights in Jericho, visited some of its many attractions and also cycled to the Dead Sea (about 15 km). Like everyone else, I was amazed by the "magical" effect of its highly salty waters, where one never sinks, but floats all the time, as happy as a little child.

I cycled in the Holy Land almost 7 weeks, and I can only say that it's for sure the most special part of this journey. I'll always remember this amazing experience, and be forever thankful for the opportunity to have been in this wonderful place.

Today it's time to end this chapter, I leave Jericho for Jordan, my next stage in the Middle East.

I finish this post saying that if one day I had the opportunity to return, I hope to see a different situation than the one that's going on. I hope to see two peoples living freely, in peace, with dignity, and ensuring that their children have the right to dream without fearing anything.

No matter which side they belong to.

Terra Santa - Parte 3

Quando eu estava na Europa, alguém me disse que vindo viajar de bicicleta nesta região seria como suicídio. Bem... após seis semanas pedalando na Terra Santa, e mais vivo do que nunca, eu só posso dizer que sinto muito por aqueles que deixam seus medos tirar-lhes a oportunidade de viver algo assim tão fantástico.

A minha única reclamação seria quanto ao calor, mas como eu estava esperando algo ainda pior, posso dizer então que até isso estava OK.

Deixando Jerusalém foi apenas uma pequena pedalada (menos de 10 km) até Belém. A cidade onde o salvador do mundo nasceu. Lá dormi três noites, em um lugar que consegui com religiosos católicos da Argentina.

Eu visitei a Igreja da Natividade, uma igreja ortodoxa construída no local onde, por tradição, acredita-se ser o lugar onde Maria deu à luz Jesus. E também Campo dos Pastores que, mais uma vez por tradição, acredita-se ser o local onde o anjo apareceu aos pastores anunciando o nascimento de Jesus.

Tradição é algo que tem um papel de peso na Terra Santa. Muitas pessoas acreditam cem por cento na autenticidade de todos os lugares que visitam aqui. Como eu já disse, eu quase não acredito em nenhum. O que eu acredito é no que aconteceu e da forma como aconteceu, mas não nos locais onde dizem terem ocorrido. Quando as cidades ou referências geográficas são descritas na Bíblia, eu aceito isso sem nenhum problema. Mas quando as pessoas vão além apontando o dedo para "locais exatos", os visito tomando isso como uma referência ou um lembrete do que é dito ter acontecido lá.

Meu plano original era depois de Belém ir a Betânia ou Ramallah, mas lá eu decidi que eu iria mais ao sul, e visitaria também Hebron, onde está a tumba de Abraão. Esse ao menos é algo que se pode levar a sério, o lugar é mencionado na Bíblia e também é aceito por judeus e muçulmanos. O lugar é compartilhado por ambos os grupos.

No caminho a Hebron eu pude desfrutar da receptividade incrível do povo palestino. Em todo o trajeto as pessoas iam me cumprimentando e me acolhendo calorosamente. Passando por uma cidade não turística, onde  as pessoas não estão acostumadas a ver estrangeiros, eu posso dizer com certeza que nunca viram "coisas" do tipo se movimentando em duas rodas. Para eles era como algo de outro mundo .

Eu estava andando na rua principal e durante todo o tempo as pessoas saiam das lojas, chamavam os outros, apontando para mim, e quando viam minha bandeira do Brasil na parte de trás da minha bicicleta gritavam "Brasil" ou algum nome de jogador brasileiro. As crianças corriam atrás da minha bicicleta ou me esperavam passar perto para baterem na minha mão.

Isso realmente me tocou. O lugar que melhor me recebeu desde o início desta viagem. Incrível povo palestino!

Em Hebron eu dormi em uma escola. Lá eu estava indo visitar apenas o Túmulo dos Patriarcas, mas não tive muita sorte. No dia em que eu fui, estava fechado para as orações muçulmanas e no dia seguinte estava fechado por um feriado especial dos judeus. Então eu visitei o lugar apenas na manhã em que eu já estava saindo da cidade.

De Hebron pedalei cerca de 40 km norte até Betânia (via Jerusalém). Lá, o único lugar para visitar é o túmulo de Lázaro, um lugar que você não pode saber com certeza se é o original, mas visitar Betânia é uma oportunidade para lembrar que aquela é a cidade onde Jesus ressuscitou seu amigo Lázaro. Algo fantástico para se pensar estando lá.

Dormi duas noites e não encontrando qualquer instituição religiosa que pudesse me hospedar, tive que contar com a hospitalidade de locais, o que não foi nenhum problema. Passei bons momentos com as pessoas que me hospedaram. Novos amigos que eu adorei conhecer, ouvir suas histórias e suas lutas e compartilhar parte do meu mundo.

De Betânia pedalei até Ramallah, capital virtual da Palestina (palestinos também reivindicam Jerusalém como a capital de um futuro estado palestino). Eram cerca de 30 km, mas o que complicou foi a área montanhosa, cheguei tão cansado como se eu tivesse pedalado mais de 100 km.

Dormi três noites em uma escola católica. E já fui até a embaixada jordaniana obter meu visto para a Jordânia. Visitei o túmulo de Yasser Arafat e passei algum tempo andando livremente pelas ruas do centro da cidade.

Lá eu também conheci pessoas interessantes. Entrei em um prédio comercial para perguntar algo em uma loja de computadores. A loja estava fechada, mas um homem do escritório ao lado, que também tinha vindo à loja, quando soube que eu era do Brasil, me convidou para esperar em seu escritório. Ele explicitou seu amor pelo Brasil  onde já esteve,  inclusive em Porto Alegre. Ele imediatamente ligou para seu amigo palestino, um homem de negócios, bem sucedido que mora no Brasil, mais precisamente no Rio Grande do Sul, e estava visitando seu pai em Ramallah. Seu amigo veio ao escritório, surpreso ao ouvir sobre o "brasileiro de bicicleta". Com ele eu falei em Português. Conversamos muito, rimos e comemos do banquete improvisado que seu bom amigo nos ofereceu em seu escritório.

Muitas vezes, durante esta viagem eu ouço as pessoas me pedindo para não esquecê-las. Como se isso até fosse possível. Eu já disse aqui que eu não posso escrever sobre tudo, ou todo mundo que eu conheço, mas todos sem exceção, eu levo comigo na memória, nas fotos e na minha bandeira.

Deixando Ramallah segui rumo a minha última parada na Terra Santa: Jericó. Foi uma pedalada agradável, o tempo todo morro abaixo. Jericó está no vale do Jordão, 258 metros abaixo do nível do mar.

Com mais de dez mil anos, Jericó ostenta com orgulho o título de "A cidade mais antiga do mundo". A cidade está bem preparada para receber a enorme quantidade de peregrinos e turistas que a visitam durante o ano todo.

Jericó é mencionadoa na Bíblia muitas vezes. A cidade foi conquistada e destruída por Josué, sucessor de Moisés, como sua primeira batalha durante a conquista de Canaã. Ela também foi cenário do ministério de Jesus.

Dormi 5 noites em Jericó , visitei parte de suas muitas atrações e também pedalei até o Mar Morto (cerca de 15 km) lá como todo mundo, fiquei maravilhado com o efeito "mágico" de suas águas super salinas, onde nunca se afunda, mas se boia o tempo todo, e contente como uma criancinha.

Pedalei na Terra Santa quase sete semanas, e só posso dizer que esta é com certeza a parte mais especial desta viagem. Vou me lembrar para sempre desta experiência incrível, e sempre grato pela oportunidade de ter estado neste lugar maravilhoso.

E hoje é o dia de encerrar este capítulo, eu deixo Jericó rumo à Jordânia, minha próxima etapa no Oriente Médio.

Eu termino este post dizendo que se um dia eu tiver a oportunidade de voltar aqui, espero encontrar uma situação diferente da existente. Espero ver dois povos vivendo livres, em paz, com dignidade e garantindo a seus filhos o direito de sonhar sem nada a temer.

Não importando a que lado eles pertençam.

Monday, September 9, 2013

Holy Land - Part 2

--Há uma versão em português logo abaixo--

Jerusalem; if there was only one word to describe this city it would be: Special! And I think this is the feeling that one comes away with when leaving this city, as I'm doing today, that this really is a very special place.

Considered a holy city by the three major Abrahamic religions: Judaism, Christianity and Islam, faith is the element most present in the spirit of the city. And even for those who come not as pilgrims, but as tourists, there is no escape from that element, it is everywhere.

I spent 10 days in Jerusalem, I stayed at a place on the Hill of Scandal, next to the Mount of Olives, with a great view of the city and within relatively short walking distance of the Old City.

Due to the fact that I didn't know that I would have that amazing view, I went straight to the Western Wall area when I arrived to take my arrival picture. The view was also great, but to get there was very hard, since I had to face many stairs. And if it's hard to walk down the stairs with a very heavy bicycle, I don't need to say what it’s like to go back up. But at least I had the picture.

The last place I visited in Jerusalem was the place where everything began: The City of David.

The City of David is a small hill, close to the foot of the Temple Mount, and it is where King David established the capital of his kingdom 3.000 years ago, when he conquered the city that then stood there. Today it's a residential area and archaeological site, the most excavated place in the world.

I went on a fascinating guided tour there, in which, amongst other things, one walks through Hezekiah's Tunnel, a tunnel or aqueduct, built by King Hezekiah 300 years after king David, the main purpose of which was to divert the water from the spring (outside the city) into the Pool of Siloam, in the event that the city came under siege, which is described in the Bible.

I went through the 500 meters tunnel, dug in solid rock, with water sometimes above my knees, and of course completely fascinated by what was at that time a prowess of engineering: two teams excavating from opposite ends of the tunnel until meeting in the middle.

Every place you visit in Jerusalem is a special place, with historical or religious roots. And as I said, the place where I stayed was within walking distance of the Mount of Olives, which for me was very special to visit.

The Mount of Olives is mentioned in the Bible as being a place where Jesus spent a lot of time, teaching and resting. At the foot of the Mount there is a garden called Gethsemane, according to the Bible, the place where Jesus was with his disciples on the night he was arrested. There I saw millenarian olive trees, by tradition said to be the silent witnesses of Jesus’ prayer and suffering the evening before His crucifixion.

I can't say how amazing it is to have the opportunity to be in such places, but in Jerusalem you have this feeling all the time and it never ends.

Visiting the Old City was almost a daily program for me. The place, a walled area less than 1 square kilometer, is divided into four areas: the Muslim Quarter, the Christian Quarter, the Jewish Quarter and the Armenian Quarter. You never get tired of walking in its narrow streets, full of markets, shops and of course pilgrims and tourists.

There are around 40.000 people living in the Old City (out of a total of 800.000 in the whole of Jerusalem). You can find many monasteries, educational institutions and hotels, but the most visited places are the holy religious places.

For Jews it's the Western wall, considered to be a remnant of the Jewish Temple. For Christians it's the Church of the Holy Sepulchre, believed to be the place where Jesus was crucified, and for Muslims it's the Dome of the Rock, considered by Muslims to be the place where Prophet Muhammad ascended to Heaven.

On different days I visited all three.

When I visited the Western Wall, where out of respect men are required to cover their heads, I left as is the custom, a piece of paper (with the name of my family members) in the crevices of the Wall.

Visiting the Temple Mount I met a Brazilian family of Muslims from my state. I'm always glad to meet fellow Brazilians and even more when they are "Gaúchos". Non-Muslims are only allowed to enter the Temple Mount at a specific time and by a special entrance next to the Western Wall. Once inside you can walk around the whole area, but cannot enter the mosques.

That's also a holy place for Jews, since it's where the Jewish Temples once stood. It's also believed to be the place that the Bible describes as Mount Mariah, where God asked Abraham to sacrifice his son Isaac.

Only when visiting the Church of the Holy Sepulchre, a place considered by Christians to be the place where Jesus was crucified, buried and resurrected, did I feel comfortable enough to question its authenticity. I believed that everything occurred as described in the Bible, but for me, talking about Biblical places, it's always very hard to believe in specific locations when they are not geographical locations.

Garden Tomb
A river, a lake, a mountain, or a mount are places that even after centuries or millenniums you can be sure are the same places. But how can you know for sure that places like that are truly locations, when there is nothing that can prove it, only tradition.

I visited the two places in Jerusalem, believed by different groups, to be where Jesus was crucified and buried: the Church of the Holy Sepulchre, and the Garden Tomb. And even though you know that it could not be the real place, you still feel impressed by the idea of it being that.

So I paid more attention to what had happened in those days, and the tremendous meaning it has, rather than to where it happened.

The modern part of the city I only cycled around, which in itself  is already something nice. I could have visited many other places or have done many other things during the time I spent here, but even when lying down on the grass in a park or sitting in the shadow of the wall, watching people passing by, you know that these are also great things to do. Everything you do in Jerusalem becomes a great experience when you remember where you are.

I'm really thankful for having had the opportunity to go through this amazing experience, something I never expected or thought could happen.

So today I say good bye to the Holy City. And with that I end my time in Israel, but not in the Holy Land, now I continue cycling on the Palestinian side.

So let's keep going..

Terra Santa - Parte 2

Jerusalém, se houvesse apenas uma palavra para descrever esta cidade seria: especial! Acho que este é o sentimento que se leva quando se deixa a cidade como eu estou fazendo hoje: que este é realmente um lugar muito especial.

Considerada uma cidade sagrada pelas três principais religiões abraâmicas: Judaísmo, Cristianismo e Islã, a fé é o elemento mais presente no espírito da cidade.  Mesmo para aqueles que não vêm como peregrinos, mas apenas como turistas, não podem escapar desse vestígio, ele está em toda parte.

Passei 10 dias em Jerusalém. Fiquei em um lugar no Morro do Escândalo, junto ao Monte das Oliveiras, com uma excelente vista da cidade e uma caminhada relativamente curta até a Cidade Velha.

Devido ao fato de que eu não sabia que teria essa vista privilegiada, quando cheguei, fui direto tirar minha foto da chegada na área do Muro das Lamentações. A vista também era boa, mas para chegar lá foi bem duro, já que eu tive que enfrentar muitas escadas. E se é difícil descer as escadas com uma bicicleta bem pesada, eu não preciso dizer como é voltar. Mas, pelo menos, consegui a foto.

O último lugar que eu visitei em Jerusalém foi o lugar onde tudo começou: a cidade de Davi.

A cidade de Davi é uma pequena colina, ao sul do Monte do Templo, e é onde o rei Davi estabeleceu a capital do seu reino, há três mil anos, quando conquistou a cidade que ali existia. Hoje é uma área residencial e sítio arqueológico, o lugar mais escavado no mundo.

Lá eu fiz um fascinante tour guiado, que entre outras coisas, nos leva a atravessar o túnel de Ezequias. Um túnel ou aqueduto, construído pelo rei Ezequias 300 anos depois do rei Davi, cujo principal objetivo era desviar a água da nascente (do lado de fora da cidade) até o tanque de Siloé, quando na iminência de um cerco à cidade, como descrito na Bíblia.

Cruzamos os 500 metros do túnel, escavado em rocha sólida, com a água, às vezes, passando dos joelhos e, claro, completamente fascinados com o que foi, para aqueles tempos, uma proeza de engenharia: duas equipes de escavação partindo de cada extremidade do túnel até se encontrarem no meio.

Todo lugar que você visita em Jerusalém é um lugar especial, com raízes históricas ou religiosas. E como eu disse, no lugar onde fiquei era a uma curta distância a partir do Monte das Oliveiras, o que para mim foi muito especial visitar.

O Monte das Oliveiras é mencionado na Bíblia como sendo um lugar onde Jesus costumava passar bastante tempo, ensinando e descansando. Ao pé do monte há um local chamado Getsêmani, de acordo com a Bíblia, o jardim onde Jesus estava com os seus discípulos na noite em que foi preso. Lá eu vi oliveiras milenares, por tradição, consideradas como as testemunhas silenciosas das orações e angústia de Jesus na noite anterior à crucificação.

Eu não consigo descrever o quão fantástico é ter a oportunidade de estar em tais lugares, mas, em Jerusalém, você tem esse sentimento a toda hora e ele nunca termina.

Visitar a Cidade Velha era quase meu programa diário. O local, uma área murada com menos de um quilômetro quadrado, é dividido em quatro áreas: o bairro muçulmano, o bairro cristão, o bairro judeu e o bairro armênio. Você nunca se cansa de andar em suas ruas estreitas, cheias de feiras, lojas e, é claro, peregrinos e turistas.

Há cerca de 40.000 pessoas vivendo na Cidade Velha (de um total de 800.000 em toda Jerusalém). Você encontra muitos mosteiros, instituições educacionais e hotéis. Mas os lugares mais visitados são os locais religiosos sagrados.

Para os judeus, é o Muro das Lamentações, considerado o que sobrou do Templo dos judeus. Para os cristãos, é a Igreja do Santo Sepulcro, que se acredita ser o lugar onde Jesus foi crucificado, e para os muçulmanos é o Domo da Rocha, considerado pelos muçulmanos como sendo o lugar onde o profeta Maomé subiu aos céus.

Em dias diferentes, visitei todos os três.

Quando visitei o Muro das Lamentações, onde por respeito os homens são obrigados a ter a cabeça coberta, deixei como é o costume, um pedaço de papel (com o nome da minha família) nas fendas do muro.

Visitando o Monte do Templo, conheci uma família brasileira de muçulmanos do Rio Grande do Sul. Eu fico sempre feliz em encontrar brasileiros e ainda mais quando se trata de conterrâneos. Os não-muçulmanos só são autorizados a entrar no Monte do Templo em horário específico e por uma entrada especial junto ao Muro das Lamentações. Uma vez dentro, se pode andar por toda a área, mas não entrar nas mesquitas.

Esse também é um local sagrado para os judeus, já que é onde ficavam os Templos Judeus. Acredita-se ser também o lugar que a Bíblia descreve como o Monte Moriá, onde Deus pediu a Abraão que sacrificasse seu filho Isaac.

Foi só, quando visitando a Igreja do Santo Sepulcro, local considerado pelos cristãos como sendo o lugar onde Jesus foi crucificado e sepultado, que me senti confortável o suficiente para questionar a autenticidade daquele lugar. Eu acredito que tudo ocorreu como descrito na Bíblia, mas para mim, falando de lugares bíblicos, é sempre muito difícil acreditar em locais específicos quando não são localizações geográficas.

Um rio, um lago, uma montanha, ou um monte são lugares que, mesmo depois de séculos ou milênios, você pode saber com certeza que são os mesmos lugares. Mas como saber com certeza que lugares como aqueles são autênticos, quando não há nada que possa provar, apenas a tradição?

Ainda assim eu visitei os dois lugares em Jerusalém, considerados por diferentes grupos, como sendo o lugar onde Jesus foi crucificado e sepultado: a Igreja do Santo Sepulcro e o Jardim da Tumba. E mesmo que se saiba que tal lugar possa não ser o local verdadeiro, você fica muito impressionado quando pensa na ideia de que também possa ser.

Preferi dar mais atenção ao que aconteceu naqueles dias, e ao grande significado que aquilo teve, do que onde especificamente aconteceu.

Na parte moderna da cidade, apenas rodei de bicicleta, o que já é um grande programa. Eu poderia ter visitado muitos outros locais ou ter feito muito mais durante o tempo que passei aqui, mas até mesmo deitar na grama de um parque, ou sentar à sombra dos muros da Cidade Velha, apenas observando as pessoas que passam, já são também ótimos programas. Tudo que você faz em Jerusalém se torna um grande programa quando você lembra onde está.

Estou muito grato por ter tido a oportunidade de viver esta experiência incrível, algo que eu nunca esperava ou pensava que poderia acontecer.

Hoje eu digo adeus à Cidade Santa e com isso encerro minha passagem por Israel, mas não na Terra Santa, agora sigo pedalando no lado Palestino.

Então, simbora..

Tuesday, September 3, 2013

Holy Land - Part 1

--Há uma versão em português logo abaixo--

Oh Leandro, you did it again!!
I always promise myself that it's going to be the last time until it happens again. I'm talking about my mismanagement of travel arrangements. I've always been horrible at organizing a departure, and when it's a trip inside another trip things get even worse.

I didn't miss my flight from Athens to Tel Aviv only because it was my lucky day. Even though my flight was at 22:40, I managed to arrive late at the airport. Having so many things to do that day, I headed to the airport 3 hours later than my original optimistic plan, and thank God I was allowed to take my bike on the subway. Arriving at the airport I still had to organise my stuff and to dissemble part of the bike and pack it.

Guess what? I broke all of my records! For a flight that was scheduled to depart at 22:40 I arrived at the check-in desk at 22:15. The attendant couldn't believe that I was on the Tel Aviv flight and she said: "You are late. You are VERY late!" I was so nervous that the only thing I was able to do was laugh.

After all the procedures, I sat relieved on my window seat, and at 23:15 the plane took off for the 1 hour and 35 minutes flight to Tel Aviv.

Tel Aviv
While contemplating the lights of Athens viewed from above, I thought about my trip and how everything in Europe, since Amsterdam, had gone just as planned, and how glad and thankful I was for that. It was time to end this chapter and to begin a new one with other challenges on this adventure.

Arriving in Israel, I slept at the airport and next day reassembled my bike and headed to Giv'atayim, a city next to Tel Aviv, where I had a CouchSurfing host waiting for me. I stayed there for three nights and during the day I went by bike to enjoy the beach and cycle around Tel Aviv.
Bahá'í gardens - Haifa

On leaving Giv'atayim, my plan was to go to Nazareth, but at the place I stopped to sleep, Bat Shlomo, I heard about the Bahá'í gardens in Haifa, which I thought were in Jerusalem. The next day I changed my route and headed to Haifa.

My boss in Brazil was Bahá'í, and he had a big picture of the Bahá'í gardens on the office wall. And then you can see how life is a box full of surprises and craziness, I always admired that picture but never in my mind did I imagine that one day I would have the opportunity to visit that place. Thanks crazy life - the day had arrived!

So I slept two days in Haifa, where I had CouchSurfing hosts, and I went to visit the amazing gardens (a holy place for Bahá'ís) and learned more about the Bahá'í faith.

40 km from there and I was in Nazareth, the city where Jesus grew up. I spent three nights at a French Monastery where the sisters treated me very well, even feeding me. Because I know that institutions like that aren't free hotels where you arrive, eat and leave, I always offer to help with something as a way to thank them for such kindness. And there I went to help in the field, harvesting grapes and clearing tomato beds.

Together with a French lady, I was helping a sister from Ivory Coast, who has been living in Nazareth for 13 years. She said that it's a small world, as not long ago she had read in a Catholic newspaper about my meeting with the Pope, and now there I was as her assistant.

Being in Nazareth was such a special experience. The city is mentioned in the Bible as being the place where the angel Gabriel visited the Virgin Mary to announce the birth of Jesus, and also the place where Jesus spent his childhood. I visited the Basilica of Annunciation and cycled around the city, wondering if Jesus had walked on the streets I was cycling.

After leaving Nazareth I headed to the Sea of Galilee, another special place mentioned in the Bible. It's called "Sea" but it's actually a huge lake. At this point I decided I wasn't going to use the internet or search for places to sleep, but I would camp around the lake and enjoy the silence and the experience of being in such an amazing place.

Sea of Galilee
I visited Capernaum, the city where Jesus and some of His disciples lived and many of His miracles took place. Capernaum is now an archaeological site, but it's no longer a city. You can visit the remains of the city, which include the remains of a synagogue from the 4th century which is built upon the remains of the synagogue where Jesus used to teach, a chapel built on the site of St. Peter's house and the banks of the Sea of Galilee. Next to it there is a property belonging to the Orthodox Church, with a nice church to visit, and next to that is Capernaum National Park. I didn't know it was a National Park until the following day when I also found out that camping is forbidden in that area. Oops, too late!

I would describe my camping in Capernaum as the most special evening of this trip - nothing around, the Sea of Galilee in front lit by a wonderful full moon, and me wondering whether that was the scenario when Jesus walked on that waters.

I then camped for two days on the other side of the lake, where I only rested and swam. I completed the ride at Tiberias where I camped and spent my last day at a water park.

At that park something interesting happened. I left my bike with the security at the entrance and only took a bag with my camera. Then I asked some ladies if I could leave my bag with them while I was in the swimming pool. They agreed, and when I went to get my bag they asked me where I was from. When I said Brazil, they were surprised and immediately asked me to sit down. They gave me something to eat and told me that someone in their family was married to a Brazilian guy, who they immediately called.

Remains of the Synagogue in Capernaum
He was not only a fellow Brazilian, but also from my state, in the south of Brazil. When he learned that I was leaving Tiberias for Jerusalem he invited me to stop in at his place, less than 40 km from there. How could I say No? The city was Beit She'an, and I stayed there for two days. He and his wife's family, a big Palestinian family, treated me with such hospitality it left me speechless. Amazing people!

Leaving Beit She'an I headed to Jerusalem, camping in Mansura, Elyashiv, and Ben Shemen.
Camping in Capernaum

August is said to be the hottest month in Israel, and I was expecting to face very tough days, but fortunately it wasn't as hard as I'd thought. I cycled in the heat, but nothing different from what I had faced in Greece or Italy. The difference was more about roads; there aren't many options and most of the time I was cycling on fast roads or even on the highway.

Israel is a modern country and sometimes I forget I've already left Europe (especially when it comes to prices). And it's different from what I was expecting as it's not only in Tel Aviv that progress has arrived, even the Biblical cities nowadays don't differ much from cities I've been to in Europe or Brazil. And also about the security I can say I feel the same as being in the old continent. I know about the movements of the army and the tension with the situation in neighbouring Syria only by the News, because the country is (at least up to now) very quiet.

On the next post I'll write about Jerusalem, since I'm still visiting the holy city.


Terra Santa - Parte 1

Ah Leandro, você conseguiu de novo!!

Eu sempre prometo que será a última vez até que acontece de novo. Estou falando sobre a minha má gestão com viagens, sempre fui horrível em organizar uma partida, e quando se trata de uma viagem dentro de outra viagem as coisas ficam ainda piores.

Não perdi meu voo de Atenas para Tel Aviv só porque era meu dia de sorte. Mesmo meu voo estando marcado para 22:40, consegui chegar atrasado ao aeroporto. Tendo tantas coisas para fazer naquele dia, acabei saindo para o aeroporto 3 horas após o que era minha previsão otimista, e graças a Deus, pude levar minha bicicleta no metrô. Chegando ao aeroporto, eu ainda tinha que organizar minhas coisas, desmontar parte da bicicleta e embrulhá-la.

Adivinha o quê? Eu quebrei todos os meus recordes, para um voo que estava marcado para 22:40 cheguei ao balcão para fazer o check-in às 22:15, a atendente não conseguia acreditar que meu voo era para Tel Aviv, ela disse: "você está atrasado. Você está MUITO atrasado". Eu estava tão nervoso que única coisa que conseguia fazer era rir.

Após todos os procedimentos, respirei aliviado no meu assento junto à janela, e às 23:15 o avião estava decolando para um voo de 1:35min até Tel Aviv.

Enquanto contemplava Atenas iluminada vista do alto, pensava sobre minha viagem e como tudo na Europa, desde Amsterdam tinha saído como planejado, e quão feliz e agradecido eu estava por isso. Era hora de encerrar este capítulo e começar um novo, com outros desafios para esta aventura.

Chegando a Israel, dormi no aeroporto e no dia seguinte remontei minha bicicleta e fui para Giv'atayim, uma cidade ao lado de Tel Aviv, onde tinha um anfitrião do CouchSurfing esperando por mim. Lá dormi três noites, durante o dia, ia de bicicleta desfrutar a praia e pedalar por Tel Aviv.

Deixando Giv'atayim , meu plano era chegar à Nazaré, mas no lugar em que eu parei para dormir, Bat Shlomo, ouvi sobre os jardins Bahá'í em Haifa, que eu achava fossem em Jerusalém. No dia seguinte mudei minha rota e segui para Haifa.

Meu chefe no Brasil era Bahá'í , e ele tinha na parede do escritório um quadro dos jardins Bahá'í, e então você vê como a vida é uma caixa cheia de surpresas e loucuras, eu sempre admirei aquela foto nunca em minha mente imaginando que um dia eu iria ter a oportunidade de visitar tal lugar. Obrigado vida louca, o dia tinha chegado!

Dormi dois dias em Haifa , tive anfitriões do CouchSurfing lá também, visitei os incríveis jardins Bahá'í (um local sagrado para os Bahá'ís) e pude aprender mais sobre a fé Bahá'í.

Quarenta quilômetros depois, e eu estava em Nazaré, cidade onde Jesus cresceu, lá dormi três noites em um mosteiro francês, as freiras me trataram muito bem , até mesmo me alimentando. Como sei que instituições como essas não são hotéis grátis, onde você chega, come e sai, eu sempre me ofereço para ajudar com alguma coisa, uma forma de agradecer tal hospitalidade. E lá ajudei colhendo uvas e limpando canteiros de tomate.

Juntamente com uma senhora francesa , eu estava ajudando uma freira da Costa do Marfim, que vive lá já há 13 anos, ela disse que este mundo é realmente muito pequeno, um tempo atrás, ela leu em um jornal católico sobre o meu encontro com o Papa, e agora lá estava eu, como seu assistente .

Estar em Nazaré foi uma experiência especial, a cidade é mencionada na Bíblia como sendo o lugar onde anjo Gabriel visitou a Virgem Maria para anunciar o nascimento de Jesus, e também o lugar onde Jesus passou sua infância. Visitei a Basílica da Anunciação e pedalei pela cidade, sempre imaginando se Jesus teria andado nas ruas em que eu estava pedalando.

Deixando Nazaré fui para o Mar da Galileia, um outro lugar especial mencionado na Bíblia. É chamado de "Mar" mas na verdade é um grande lago. Neste ponto, eu decidi que não estaria usando internet ou procurando lugares para dormir, eu acamparia ao redor do lago e desfrutaria do silêncio e da experiência de estar nesses lugares tão especiais.

Lá visitei Cafarnaum, cidade onde Jesus e alguns de seus discípulos viveram e onde ele realizou muitos de seus milagres. Cafarnaum é agora um sítio arqueológico, mas não mais uma cidade, você pode visitar as ruínas da cidade, que incluem os restos de uma sinagoga do século 4, construída sobre as ruínas da sinagoga onde Jesus ensinava, a capela construída onde antes era a casa de Pedro, e chegar até as margens do Mar da Galiléia. Ao lado há uma propriedade pertencente à Igreja Ortodoxa, com uma bela igreja para visitar, e ao lado desta o Parque Nacional de Cafarnaum, que eu só soube que era um parque nacional, no dia seguinte, quando eu já estava saindo e também li que acampar naquela área era proibido. Ops, já um pouco tarde demais!

Eu descrevo meu acampamento em Cafarnaum como a noite mais especial desta viagem, nada ao redor, o mar da Galiléia à frente, iluminado por uma lua cheia maravilhosa, e eu me perguntando se esse era o cenário quando Jesus andou sobre aquelas águas .

Em seguida acampei dois dias na outra margem do lago, onde só descansei e nadei, e completei o trajeto em Tiberíades, onde acampei e passei o meu último dia num parque aquático.

Naquele parque algo interessante aconteceu, eu deixei minha bicicleta com os seguranças na entrada e só levei uma mochila com minha câmera, então perguntei a algumas senhoras se eu poderia deixar o minha mochila com elas, enquanto eu estava na piscina, elas concordaram e quando fui pegá-la de volta, elas perguntaram de onde eu era, quando disse Brasil ficaram surpresas e imediatamente me pediram para sentar, me deram algo para comer e disseram que alguém na sua família era casada com um brasileiro, a quem ligaram imediatamente.

Ele não era apenas brasileiro, mas um conterrâneo gaúcho, da cidade do Chuí. Quando soube que eu estava saindo de Tiberíades para Jerusalém, ele me convidou para parar na sua cidade, a menos de 40 km de lá. Como eu poderia dizer não? A cidade era Beit She'an, e lá dormi dois dias. Ele e a família de sua esposa, uma família palestina bem grande, me trataram com tanta hospitalidade que me deixaram sem palavras. Pessoas incríveis!

Deixando de Beit She'an segui para Jerusalém, acampando em Mansura, Elyashiv e Ben Shemen.

Agosto é considerado o mês mais quente em Israel, e eu esperava enfrentar dias complicados, mas felizmente, não foi tão difícil quanto eu pensava. Pedalei no calor, mas nada diferente do que eu havia enfrentado na Grécia ou na Itália. A diferença era mais quanto a estradas, não há muitas opções, na maioria das vezes eu estava viajando em estradas movimentadas ou mesmo em autoestrada.

Israel é um país moderno, às vezes eu esqueço que não estou mais na Europa (especialmente falando de preços). E diferente do que eu estava esperando, não é apenas em Tel Aviv que o progresso chegou, até mesmo as cidades bíblicas, hoje em dia não diferem muito de cidades em que estive na Europa ou no Brasil. E também quanto à segurança, posso dizer que me sinto estando no velho continente, sei sobre os movimentos do exército e da tensão com a situação da vizinha Síria, apenas pelo noticiário, porque o país está (pelo menos até agora) muito tranquilo.

No próximo post escreverei sobre Jerusalém, pois eu ainda estou visitando a cidade santa.