Thursday, July 18, 2013

Vatican City


--Há uma versão em português logo abaixo--


I was having breakfast early yesterday morning when my mobile phone rang. Due to the fact that I don't use my phone regularly during this trip, I immediately knew that it was either my mum, or the call I was anxiously waiting for. When I saw that it was an unknown number, I immediately knew it was "the call".

And it really was. It was the Pope's private secretary, asking if I was still in Rome and if I would like to come to the Vatican this morning. I didn't need to check my agenda to agree to be there at 06:45.

Yes, I was going to meet the Pope!

But is it as simple as that? You arrive in Rome and suddenly your phone rings and it is the Pope inviting you to visit him? No it's not like that. But when you are a bit crazy and have nothing to lose, you are going to go through channels that normal people wouldn't think about, or wouldn't believe to be possible.

My "Pope Plan" started before the beginning of this trip. I knew that meeting the Pope is not a simple task, if you ask the one billion people who have the Pope as their leader if they want to meet him, you will never hear "No" as an answer.

It was clear I couldn't arrive in Rome without a good plan. In Amsterdam, after some research I found someone in the Vatican who was very close to the Pope, and I knew if one letter of mine reached his hands there would be a good chance I could be successful.

I wrote him a letter first saying that I'm not catholic, but because of the media coverage of the Pope's election, I was aware of it and I was glad that the new Pope was not only a simple and kind man with a strong view to social issues, but also a neighbor of mine, since I'm from the Brazilian southern state of Rio Grande do Sul, which shares a border with Argentina.

I talked about my world bike tour and since this trip is about to getting to know new people, cultures and places, I would like to meet Mr. Francisco. I asked him not to contact the bureaucracy of the Vatican, because they receive this kind of request every day, but to tell the Pope that there was a "gaucho" (what people in my state are called) travelling the world by bike who would be "molto felice" to meet him, and to ask the Pope directly if he would agree.


Then I sent him another letter when I arrived in Italy and others when I arrived in Rome. He told the Pope this morning that he had received 15 letters from me, which surprised me as I had not remembered sending so many.

Yesterday I spent the whole day with mixed feelings: excitement, thoughts, and disbelief that it really had been the Pope's secretary on the phone and not a prank call. So I shared the big news with only my family and a few close friends, in Holland, Brazil and Chile.

I went to bed very late and woke up at 04:00 o'clock this morning.  At 05:30 I was leaving the monastery where I'm staying and  after a stop to buy something to eat, I arrived at the Vatican at 06:15. I went straight to the gate where the secretary said they had been told to expect me. I knew it was too early but I had to find out if it was serious. When the Swiss guard asked my name and took from his pocket a piece of paper on which was written my full name, I was really relieved.

At 06:40 I was allowed to go in, but at the second gate I was stopped by the Vatican police who told me I couldn't go in with my bike, "This is the Vatican not Rome" then I told him about the call, and that the Swiss guard had my name. After some calls he allowed me to go in, to the surprise of the other guard who asked "by bike?"

He gave me the directions to Santa Marta, the Pope's residence and I cycled there with everyone around very surprised at the unusual scene. When I got there I saw the police, the Swiss guard and a man dressed in a suit, who came to greet me speaking English and told me to "park" my bike close to the entrance.

We got inside and he became my "guide". We entered the small chapel, where he said the pope would celebrate mass in a few minutes, and explained the procedures of the mass to me. I think it was the first mass I've followed from beginning to end.

Everything was simple - there were about 15 people in the room, some nuns and men dressed in religious clothing, and my guide sat next to me. When the Pope entered I didn't realise it was him as he was in a green vestment and I asked myself, "why are people standing up?" Until it became clear who the man was.

He celebrated mass, and with the respect I have for all religions, I did what I was supposed to do: standing and sitting when I saw the people doing so. The mass lasted about 25 minutes and when it was over, the Pope left and everyone else started leaving as well.

My guide and I remained seated and suddenly the Pope was back, now dressed only in white. He sat on the third row on the left side of the chapel and kept praying. I was sat on the right side, on the second row. Then I saw the person I wrote to coming to greet me. He said, "You made it!" and "after some prayers, the Pope will come to greet you". My guide, who was next to me, opened a book and showed me my letter, he pointed to the part that said "I know it's going to sound ridiculous and you are going to laugh at me but... I really would like to meet him" we both laughed, what was once a impossible thing now was really happening.

When the Pope was ready, he left the chapel and waited for me at the door. I left with my guide and the person I had written to, we laughed and I thanked him again.

The Pope knew I was not catholic, and I know that he's a very simple guy who doesn't care much about protocol and stuff. So I treated him in the same way I treat everyone I meet on this trip: with a smile, kindness, and affection.

I didn't kiss his ring, instead we shook hands and hugged.

We talked about a lot of things while we walked outside to where my bike was. We spoke in Spanish, and I gave him the greetings sent by the priests of Santiago of Chile, where I lived and have friends that I had called yesterday.

He knows Porto Alegre, my city, he said he has relatives in Pelotas, another city in my state. In fact when he lived in Buenos Aires he went to my state many times to visit his family.

We spoke about the tragedy of Santa Maria, and I said that during all the years I have been living abroad that was the news I heard from Brazil that most got me down. Around 240 people died in that fire, only young people. He said that he couldn't go to Santa Maria, since it's too far from the places where he will be next week in Brazil, but he also found it a tragedy and he would remember that while in Brazil.

When we got outside, the Pope shook hands with the guys of the Swiss guard who were by the door and I did the same. I showed him my bike and spoke about my trip. I said, "this is my house, the bed, kitchen, and so on. He asked me questions and we both laughed when I said that you find crazy people everywhere including in Porto Alegre, the Pope said, "life is crazy!"

I gave him the drawing that a little Czech boy, nephew of a nun from the monastery where I'm staying, had sent him. And as I do with all the nice people I meet on my trip, we had our picture taken together and he signed my Brazilian flag, where he wrote:

"Que Dios te acompañe - Francisco - 18-7-13" (May God accompany you).

Then I shared some thoughts about religion, that I'm not going to write here, and the last thing we spoke was about the protest in Brazil. I said it is something really positive, when injustices start to suffocate the people, the best thing is to explode in that way, and then to be heard and noticed, it's like crying, it cleanses you and makes you feel better.


I know the Pope is very busy and I didn't want to be told by someone that it was time to go, so I thanked him for his kindness in inviting me in and asked the "friend" who I wrote the letter to, to also sign my flag because if it was not for him, I wouldn't have had the opportunity for this experience.

We said good bye and from there I cycled to St. Peter's Square, where I am right now, writing this post and announcing to my friends and people who are going to read this, that life is simple like that, one day you can be camping in the forest without a shower and the next day you can be telling jokes to the Pope.


The secret is to not take anything seriously.
Life is crazy!

Cidade do Vaticano


Estava tomando café, ontem de manhã cedo, quando meu celular tocou. Devido ao fato de não usar meu telefone regularmente durante esta viagem, soube imediatamente que seria minha mãe ou a chamada que eu estava esperando ansioso. Quando vi que era um número desconhecido, eu soube imediatamente que era "a ligação".

E realmente foi. Era o secretário particular do Papa perguntando se eu ainda estava em Roma e se eu gostaria de vir para ao Vaticano na manhã de hoje. Eu não preciso dizer que nem consultei minha agenda e concordei em estar lá às 06:45.

Sim, eu estava indo me encontrar com o Papa!

Mas será que é simples assim? Você chega a Roma, e de repente o telefone toca e é o Papa convidando-o a visitá-lo? Não, não é assim. Mas quando você é um pouco louco e não tem nada a perder, você vai passar por caminhos diferentes, que as pessoas "normais" não pensam ou não acreditam ser possível.

O meu "Plano Papa" começou antes do início dessa viagem. Eu sabia que encontrar o Papa não é uma tarefa simples. Se você perguntar a um bilhão de pessoas, que têm o Papa como seu líder, se quer conhecê-lo, você nunca vai ouvir um "não" como resposta.

Estava claro que eu não poderia chegar a Roma sem um bom plano. E, em Amsterdam, depois de algumas pesquisas, descobri alguém no Vaticano que é muito próximo do Papa e eu sabia que se uma carta minha chegasse a suas mãos, haveria boas chances de que eu poderia ser bem sucedido.

E escrevi-lhe uma carta dizendo primeiro que eu não sou católico, mas por causa da repercussão da eleição do Papa, eu estava a par e feliz que o novo Papa não era apenas um homem simples, afável, e com uma acentuada visão para questões sociais, mas também um vizinho meu, já que o Rio Grande do Sul faz fronteira com a Argentina.

Falei sobre a minha viagem de bicicleta, e que esta viagem tem a ver com conhecer novas pessoas, culturas e lugares, e eu gostaria de conhecer o Sr. Francisco. E pedi-lhe para não entrar em contato com a burocracia do Vaticano, porque com certeza eles recebem esse tipo de pedidos todos os dias, mas que dissesse ao Papa que havia um gaúcho viajando o mundo de bicicleta e que ficaria "molto felice" em encontrá-lo, e perguntasse direto ao papa se ele concordaria em me ver.

Então lhe enviei uma outra carta, quando cheguei à Itália, e outras quando cheguei a Roma. Ele disse ao Papa, hoje de manhã, que recebeu 15 cartas minhas. Fiquei surpreso, pois não me lembrava desses números.

Ontem passei o dia inteiro com uma mistura de sentimentos, excitação, e pensamentos de dúvidas quanto a ser realmente o secretário do Papa e não uma pegadinha. Compartilhei a grande notícia apenas com minha família e alguns amigos mais próximos, na Holanda, Brasil e Chile.

Fui para a cama muito tarde e acordei às 4:00 horas da manhã, às 05:30 estava saindo do mosteiro onde estou hospedado e depois de uma parada para comprar algo para comer, cheguei ao Vaticano as 06: 15. Fui direto para o portão, onde o secretário disse que eles teriam o meu nome. Sabia que era muito cedo, mas eu tinha que descobrir se isso era mesmo sério. E quando o guarda suíço perguntou meu nome e tirou do bolso um papel repetindo meu nome completo, fiquei aliviado.

Às 06:40 fui autorizado a entrar, mas no segundo portão, fui parado pela polícia do Vaticano, que me disse que eu não podia entrar com a minha bicicleta: "aqui é o Vaticano, não Roma". Então contei a ele sobre a ligação e que o guarda suíço tinha o meu nome. Após algumas chamadas ele me permitiu seguir em frente, para a surpresa do outro guarda que perguntou "de bicicleta?"

Me deram as direções da Casa Santa Marta, residência do Papa. Pedalei até lá com todos ao meu redor muito surpresos com aquela cena incomum. Quando cheguei, vi, na frente do prédio, a polícia, a guarda suíça e um homem de terno, que veio me receber falando inglês e tornou-se um tipo de guia. Me disse que "estacionasse" minha bicicleta perto da entrada.

Entramos, caminhamos até a pequena capela, onde disse que o Papa iria celebrar a missa em poucos minutos. Chegou até a me explicar os procedimentos da missa. Acho que foi a primeira missa a que eu assisti do começo ao fim.

Tudo era simples. Havia cerca de 15 pessoas na capela. Eram freiras e alguns homens vestidos com roupas religiosas. Meu guia sentou-se ao meu lado. Quando o papa entrou eu não percebi que era ele, ele estava com um manto verde e eu me perguntava: por que as pessoas estão de pé? Até que ficou claro quem era o homem.

Ele celebrou a missa, e eu com o respeito que tenho por todas as religiões, fiz o que era suposto fazer, ficava em pé e sentava quando vi as pessoas fazendo isso. A missa durou cerca de 25 minutos. Quando acabou, o Papa saiu, e as pessoas também.

Meu guia e eu ficamos sentados. De repente, o Papa estava de volta, agora vestido apenas de branco. Ele sentou na terceira fileira do lado esquerdo da capela e ficou rezando. Eu estava sentado no lado direito, na segunda fila.

Então vi a pessoa a quem escrevi a carta, vindo me cumprimentar. Ele disse: "Você conseguiu!" e "depois de rezar o papa virá cumprimentá-lo." Meu guia, que estava ao meu lado, abriu um livro e mostrou-me a minha carta. Ele apontou para a parte em que escrevi: "Sei que vai soar ridículo e você vai rir de mim ... mas eu realmente gostaria de encontrá-lo". Nós dois rimos. O que antes era uma coisa impossível agora estava acontecendo.

Quando o papa estava pronto, ele deixou a capela e esperou por mim na porta. Saí com o meu guia e a pessoa a quem escrevi, rimos e eu agradeci novamente.

O Papa sabia que eu não era católico, e eu também sei que ele é um cara muito simples, que não se importa muito com protocolos e essas coisas. Então o tratei da mesma forma que trato todos que encontro nesta viagem, com um sorriso, simpatia e afeto.

Não beijei seu anel, em vez disso, apertamos as mãos e como bons latinos, trocamos um abraço.
Conversamos sobre um monte de coisas, enquanto caminhamos para fora, onde minha bicicleta estava.
Falávamos em espanhol, e dei-lhe as saudações enviadas por padres de Santiago do Chile, onde vivi e tenho amigos para quem liguei ontem.

O papa conhece Porto Alegre, me disse que tem parentes em Pelotas, e quando morava em Buenos Aires, esteve no Rio Grande do Sul visitando parentes.

Falamos sobre a tragédia de Santa Maria, e eu disse que em todos esses anos que estou vivendo no exterior, essa foi a notícia vinda do Brasil que mais me entristeceu, quando cerca de 240 jovens morreram naquele trágico incêndio. O Papa disse que não poderia ir a Santa Maria, uma vez que é muito longe dos lugares onde estará na próxima semana, quando viaja ao Brasil, mas disse que também considera isso uma tragédia muito triste e que a lembrará quando estiver no Brasil.

Quando chegamos do lado de fora, o papa apertou a mão dos rapazes da Guarda Suíça, que estavam perto da porta e eu fiz o mesmo. Mostrei-lhe minha bicicleta e falei sobre minha viagem. Eu disse: esta é a minha casa, aqui a cama, ali a cozinha e assim por diante. Ele me fez algumas perguntas e nós dois rimos quando eu disse que gente louca encontra-se em todo lugar, inclusive em Porto Alegre. O Papa disse: a vida é louca!

Dei-lhe o desenho que um menino checo, sobrinho de uma freira do mosteiro onde estou, havia lhe enviado.
Retornamos ao interior do prédio e, como faço sempre com todas as pessoas legais que conheço na minha viagem, tiramos uma foto juntos e ele assinou minha bandeira brasileira, onde escreveu "Que Dios te acompañe - Francisco - 18-7-13"

Então compartilhei alguns pensamentos sobre religião, que eu não vou escrever aqui, e a última coisa que falamos foi sobre os protestos no Brasil, que eu disse que é algo realmente positivo, pois quando as injustiças começam a sufocar as pessoas, a melhor coisa é explodir dessa forma, e após isso se passa a ser ouvido e notado. É como chorar, isso te limpa e te faz sentir melhor. O Papa concordou.

Sabendo que ele é muito ocupado e não querendo ser avisado por alguém que era hora de ir embora, lhe agradeci o convite e pedi ao "amigo" a quem escrevi a carta, que também assinasse minha bandeira, se não fosse por ele eu não teria tido a oportunidade desta experiência.

Nos despedimos e de lá pedalei até a Praça de São Pedro, onde estou agora escrevendo este post, e anunciando aos meus amigos e as pessoas que irão ler isto, que a vida é simples assim, um dia você pode estar acampando na floresta, sem banho e no outro dia você pode estar contando piadas para o papa.

O segredo é não levar nada a sério. A vida é louca!


Saturday, July 6, 2013

Pistoia - Italy

--Há uma versão em português logo abaixo--


One day on this trip that's always full of excitement is the day I cross the border into another country. In the morning I already know that it's a "border day" so as I see the line on my GPS getting closer, the excitement of arriving by bike in a country that I haven’t been to before, really gets me. In 8 weeks on the road I've
already experienced that 5 times.

And it was no different when I got to Slovenia. What was different was the trouble I had finding places to stay there. My greatest problem using CouchSurfing during this trip is that I can't predict in advance where I'm going to be, so I send the requests only two or three days before, sometimes one day or even on the same day I arrive, and because people nowadays, due to the social medias, don't check their e-mails very often, sometimes I receive the reply one or two weeks after I've already left the place.

Maribor
Slovenia was the first country where I arrived without having a place to stay on my first stop, as well as the first country where I was not able to find a host in the capital, which made me leave sooner than planned, crossing the country in one week.

Maribor
Maribor was my first stop in Slovenia and when I got there I learned that the people I'd sent some requests to wouldn't be able to host me, and because I didn't have any route planned, I couldn't go on the day after. I was too tired to camp and it was already too late to try a church. So I started sending requests on CouchSurfing hoping that someone would read my message, and by 22:00 I had almost given up. It seemed that the only way would be to find a place to camp and leave the city the morning after.

I decided to wait no longer than 22:15. It was 22:13, I closed all the pages and had only my e-mail open, and when it was exactly 22:15, I received an e-mail announcing that a nice couple had just saved the day. Oh boy, It felt like a miracle!

So I slept two nights in Maribor, visited the city and had a good time with my nice hosts.

Leaving Maribor I slept one night at the Catholic Church in Zalec and got to Ljubljana the day after, where an extended national holiday made things a bit complicated for me, since everyone was leaving the city. So in three days I slept in three different places, having to camp one day in the backyard of the Catholic church, then I decided to go back on the road, where things were smoother.


Before leaving Slovenia, I stopped in Predjama to visit the Predjamski Castle, a renaissance castle built within a cave mouth, which in the 15th century served as refuge for the knight and robber baron, Erazem Lueger.

I camped in the area and the day after it was again a "border day". But it was not a normal border day, it was the border of "Bella Italia", and I can't say how much I’d been looking forward to arriving in Italy, ever since the beginning of this trip. Not only becuse of the places I wanted to visit, but also for the culture and the language that I like so much.

Muggia
My first stop in la Bella Italia was in Muggia, a town next to Trieste. There I slept two nights. My CouchSurfing host was a journalist, a great opportunity to have nice conversations about everything.

On the first night we went to eat some pizza, to celebrate in grand style my entrance in Italy. It was very funny, when I heard the "buon appetito" I started laughing, I've heard that everywhere, but for the first time it was the "original one".

Trieste
Next day I went to visit Trieste, but being already so tired from walking the whole day as a tourist, I chose this time to relax and spend the hot day in the water. It was my re-encounter with the sea after 7 years, and now for the first time I was able to swim. In Holland, before starting this bike tour I had taken some swimming lessons, worried about the fact that I'd be travelling alone and that every place where I came across water could be dangerous. So in Trieste it was time to test my new skills, and I must say I really enjoyed it.

Trieste
Knowing about my passion for the Italian language, my host gave me a small Italian dictionary. I have made it a rule not to accept anything from people I meet, I take from them only memories, our pictures and their signature on my flag, since I already carry a lot of weight and have no place for anything else, but in this case I decided to make an exception. I don't want to leave Italy with the same "Buon Giorno" , "Mama mia", and "Buono apetito" that I already knew.

Leaving Muggia, I had a nice meeting on the road, I met a Korean guy, Beak, who's also travelling by bike. He started his journey in South Korea and intends to finish it in the UK, having already cycled more than 15.000 km. We stopped for half hour to talk and share our stories, I became really fascinated by his journey. He signed my flag and I signed his notebook. When we met again in Venice it was like we were already old friends.

I camped in Portogruaro area, and the day after I headed to Venice, which I'll be talking about in my next post..

Pistoia - Itália

Um dia nessa viagem, que é cheio de empolgação, é o dia em que cruzo a fronteira de um outro país. Pela manhã já sei que esse é um "dia de fronteira" e, enquanto a linha no meu GPS vai sendo mostrada cada vez mais próxima, a empolgação de chegar de bicicleta num país em que nunca estive antes, realmente me possui. Em 8 semanas na estrada, já experimentei isso 5 vezes.

E não foi diferente quando cheguei a Eslovênia. O que foi diferente foi a dificuldade que tive para encontrar lugar pra ficar. Meu maior problema usando o CouchSurfing nessa viagem é que não posso prever onde estarei. Então acabo enviando as solicitações apenas dois ou três dias antes, às vezes um dia, ou até mesmo no mesmo dia em que chego. E pelo fato de as pessoas hoje em dia, por conta das redes sociais, não acessarem mais seus e-mails com frequencia, às vezes recebo o retorno apenas uma ou duas semanas após já ter deixado o lugar.

Eslovênia foi o primeiro país em que cheguei sem ter um lugar pra ficar em minha primeira parada, também o primeiro onde não consegui um anfitrião na capital, o que me fez partir mais sedo do que o previsto, atravessando o país em apenas uma semana.

Maribor foi minha primeira parada, e só quando cheguei lá fiquei sabendo que as pessoas para quem havia enviado solicitação não poderiam me hospedar e, pelo fato de não ter nenhuma rota planejada, não poderia continuar no dia seguinte. Estava muito cansado para acampar e já era muito tarde para tentar uma igreja. Então comecei enviar solicitações no CouchSurfing torcendo para que alguém lesse minha mensagem, e às 22:00 já estava quase desistindo. Parecia que a única saída seria encontrar um lugar para acampar e partir no dia seguinte.

Decidi aguardar somente até às 22:15. Eram 22:13 quando fechei todas as páginas e tinha somente meu e-mail aberto e, exatamente às 22:15, recebi um e-mail anunciando que um casal muito bacana tinha acabado de salvar o dia. Ah moleque, recebi aquilo como um milagre!

Dormi duas noites em Maribor, visitei a cidade e tive bons momentos com meus anfitriões.

Deixando Maribor, dormi uma noite na igreja Católica de Zalec e cheguei a Liubliana no dia seguinte, quando um feriado prolongado tornou as coisas um pouco complicadas, já que todos estavam saindo da cidade. Em três dias dormi em três lugares diferentes, tendo que acampar um dia no pátio atrás da igreja. Foi então que decidi voltar pra estrada onde as coisas estariam mais sob controle.

Antes de deixar a Eslovênia, passei em Prediama para visitar o Castelo Predjamski, um castelo renascentista construído na boca de uma caverna, e que no século 15 serviu de refúgio para o cavaleiro e barão das falcatruas, Erazem Lueger.

Acampei naquela área e no dia seginte era novamente "dia de fronteira", mas não era um dia de fronteira normal. Era a fronteira da "Bella Italia". Não consigo dizer como, desde o início dessa viagem, estava na expectativa de estar na Itália. Não apenas pelos lugares que quero visitar, mas também pela cultura e a língua de que gosto tanto.

Minha primeira parada na bela Itália foi em Muggia, uma pequena cidade ao lado de Trieste. Lá dormi duas noites. Meu anfitrião do CouchSurfing era um jornalista, uma ótima oportunidade para se ter boas conversas a respeito de tudo. Na primeira noite fomos comer pizza, para celebrar em grande estilo minha entrada na Itália. Foi muito engraçado, quando ouvi o "buon appetito" comecei a rir, já ouvi isso em tudo que é lugar, mas essa era a primeira vez em que era o "original".

No dia seguinte fui visitar Trieste, mas já cansado de caminhar o dia inteiro como turista, dessa vez escolhi relaxar e passar o dia quente na água. Era o meu reencontro com o mar após 7 anos, e agora, pela primeira vez, podendo nadar. Na Holanda, antes de começar essa viagem de bicicleta, tive algumas aulas de natação, preocupado com o fato de que estaria viajando sozinho e que em qualquer lugar que encontrasse água poderia ser perigoso. E em Trieste foi a hora de testar minhas novas habilidades. Tenho que dizer que realmente gostei.

Sabendo de minha paixão pela língua italiana, meu anfitrião me deu de presente um pequeno dicionário italiano. Tenho como regra não aceitar nada das pessoas que conheço, levo delas apenas lembranças, nossas fotos e suas assinaturas em minha bandeira, pois já carrego muito peso e não tenho lugar para mais nada, mas nesse caso decidi abrir uma exceção. Não quero sair da Itália com os mesmos "Buon giorno", "Mama mia" e "Buono appetito" com que aqui cheguei.

Deixando Muggia, tive um encontro muito bacana na estrada. Encontrei um rapaz Coreano, o Beak, que também está viajando de bicicleta. Ele começou sua viagem na Coreia do Sul e pretende encerrá-la no Reino Unido, já tendo pedalado mais de 15.000 km. Paramos por meia hora para conversar e compartilhar nossas histórias. Fiquei realmente fascinado com sua viagem. Ele assinou minha bandeira e eu assinei sua agenda. Quando nos encontramos novamente, em Veneza, parecíamos velhos amigos.

Acampei na região de Portogruaro, e no dia seguinte segui para Veneza. Sobre isso falo no próximo post..